DELIBERAÇÃO DO CORI ORIENTA A IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS DE LOGÍSTICA REVERSA NO PAÍS

*Alessandro Panasolo e Camila Balbinot, advogados do escritório De Paola & Panasolo Sociedade de Advogados

Com edição da Lei nº 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS), que tramitou por mais de 20 anos no Congresso Nacional, temos, enfim, as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, as responsabilidades dos geradores e do poder público e os instrumentos econômicos aplicáveis.

Assim, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes estão obrigados a estruturar e implantar sistemas de logística reversa, mediante o retorno dos produtos e embalagens após o uso pelo consumidor. No entanto, o cumprimento desta obrigação está limitado na proporção dos produtos colocados no mercado interno.

A obrigatoriedade da implantação da logística reversa está prevista na Lei de Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e no Decreto Federal nº 7404/2010.

O referido Decreto, ao regulamentar a PNRS, institui o Comitê Orientador para Implementação de Sistemas de Logística Reversa (CORI), que possui competência para a orientação estratégica da implementação de sistemas de logística reversa.

Nesse sentido, o CORI, no exercício das suas atribuições elencadas pelo art. 34, aprovou em 25 de setembro de 2017 a Deliberação nº 11 (já em vigor), com a finalidade de orientar a implementação dos sistemas de logística reversa. Em síntese, os principais pontos tratados na Deliberação CORI nº 11/2017 são:

a) Diretrizes gerais da implementação dos sistemas de logística reversa;

O texto apresenta 21 diretrizes gerais, dentre as quais destacamos a “adoção de medidas que garantam a redução da geração de resíduos sólidos, os danos ambientais e o desperdício de materiais durante as diversas etapas do ciclo de vida dos Produtos”;

b) Interação entre logística reversa e planos de gerenciamento de resíduos;

Os geradores de resíduos que, nos termos do art. 20 da Lei nº 12.305, de 2010, são sujeitos à elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos-PGRS, devem incluir os procedimentos adotados para a destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sujeitos à logística reversa.

c) Entidades gestoras do setor empresarial;

Os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes podem instituir entidade gestora, dotada de personalidade jurídica própria, com o objetivo de implementar sistema de logística reversa, bem como cuidar de sua operação e administração.

d) Abrangência dos sistemas de logística reversa;

Salvo referência em contrário expressa no edital de chamamento, os acordos setoriais firmados pela União têm abrangência nacional e devem prover formas para atender à totalidade da população do país.

e) Efeito vinculante dos acordos setoriais;

Os não signatários, fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de produtos e embalagens objeto de logística reversa, instituída por acordo setorial firmado com a União, são obrigados a implementar e operacionalizar sistemas de logística reversa com as mesmas obrigações imputadas aos signatários e aderentes dos respectivos acordos.

As obrigações abrangem as etapas de operacionalização, prazos, metas, controle e registro da operacionalização, plano de comunicação, avaliação e monitoramento, penalidades pelo descumprimento, além de outras obrigações específicas imputadas aos geradores de resíduos.

f) Metas e Cronogramas de Implementação dos sistemas de logística reversa

Os sistemas de logística reversa devem estabelecer metas progressivas e cronogramas que contenham a previsão de evolução de sua implementação até o cumprimento da meta final estabelecida.

No que tange aos cronogramas, esses podem atribuir prazos diferentes para a implementação do sistema da LR em todo o território nacional, de modo ao contemplar as peculiaridades regionais de infraestrutura, além de reportar a evolução da implementação, incluindo a previsão de municípios a serem atendidos pelo sistema.

O sistema poderá ser implementado por etapas, de modo que as metas e cronogramas poderão ser revistos mediante a celebração de termo aditivo ou termo de compromisso, os quais poderão ser fixadas com base em critérios quantitativos, qualitativos e regionais.

g) Acompanhamento da implementação e divulgação dos sistemas de logística reversa

A Deliberação determina a criação do Grupo de Acompanhamento de Performance -GAP para cada sistema de logística reversa, destinado a supervisão e divulgação de sua implementação.

O GAP deve ser formado pelos representantes das empresas fabricantes, importadoras, comerciantes e distribuidoras ligadas à cadeia de produtos sujeita à logística reversa, bem como por representantes de suas entidades gestoras, se houver.

O setor empresarial deverá criar e manter, diretamente ou por meio das entidades gestoras, um portal e sistema de informação para divulgação das ações de logística reversa sobre sua responsabilidade, passíveis de acompanhamento pelo Poder Público.

Osetor ainda deverá elaborar e publicar relatórios anuais de desempenho com base nos critérios estabelecidos pelos acordos setoriais, termos de compromisso e órgãos ambientais competentes, além de promover campanhas educativas para descarte adequado dos produtos e embalagens.

Finalmente, os sistemas de logística reversa existentes deverão, na próxima revisão ou aditamento, adequar-se aos termos Deliberação CORI nº 11/2017.

(A presente publicação possui caráter exclusivamente informativo, não contém qualquer opinião, recomendação ou aconselhamento legal do De Paola & Panasolo Sociedade de Advogados a respeito dos temas aqui abordados).

Contato: alessandro@dpadv.com.br | camila@dpadv.com.br

Palavra da Presidente

Certamente este Outubro ficará marcado para muitos – qualquer que seja a mudança, ficará igual ao que é ou ao que já foi. Como vamos lidar com isso é o

Leia mais »

Eventos Agendados

Conheça as Vantagens e associe-se

Associe-se