Em tempos de pandemia, muitas restrições para evitar o contágio da doença estão sendo impostas, novas medidas de controle estão sendo estudadas e implantadas e na indústria de alimentos as regras de Boas Práticas de Fabricação continuam em evidência. Cada vez mais em alta, as Boas Práticas de Fabricação ou BPF’s continuam sendo as melhores ferramentas preventivas para evitar as contaminações, não somente contra o novo Corona vírus, mas também contra bactérias, fungos e outros microrganismos indesejados que podem deteriorar os alimentos e colocar em risco a saúde do consumidor.

Lavar as mãos e passar álcool em gel antes de iniciar o trabalho, após o uso do sanitário, após tossir, espirrar ou assoar o nariz, após utilizar materiais de limpeza, após recolher o lixo e outros resíduos e várias outras tarefas que são executadas cotidianamente pelo manipulador de alimentos, são práticas diárias e comuns que são repetidas inúmeras vezes pelos colaboradores das indústria de alimentos e que agora se tornaram Boas Práticas de Prevenção à Contaminação para a população em geral. Outros cuidados que continuamente são executados durante a produção de alimentos e que também fazem parte das BPF’s são: o controle da qualidade da água, o programa de controle integrado de pragas, a higienização de utensílios, equipamentos e da estrutura fabril e, a própria higiene e saúde do manipulador e de seu uniforme de trabalho. Cuidados verificados numa frequência determinada que não permita o desenvolvimento de microrganismos. Tudo isso é feito diariamente numa indústria de alimentos, com pandemia ou sem pandemia.

Cuidados extras em tempos de pandemia estão sendo implantados em cada empresa seguindo exigências legais. Medir a temperatura dos colaboradores e prestadores de serviço ao chegar no trabalho, recomendar a comunicação com o superior imediato antes de vir ao trabalho caso sinta algum dos sintomas relacionados à doença, praticar o afastamento dos colaboradores em refeitórios, reuniões, treinamentos, evitar os cumprimentos com apertos de mãos, abraços e beijos, reforçar a higienização e aplicação de álcool 70 em objetos de uso coletivo como catracas, portas vai e vem, maçanetas, corrimões, reforçar a obrigatoriedade do uso de máscaras e orientar o seu uso corretamente, informar e reforçar aos colaboradores os cuidados ao utilizar o transporte público, utilização de lenço descartável ao tossir ou espirrar, descartando imediatamente, evitar recepção de visitantes são alguns exemplos desses cuidados que estão sendo implantados para evitar a transmissão da doença e diminuir seu impacto na saúde dos colaboradores e seus familiares.

Somando as regras de Boas Práticas de Fabricação aos cuidados extras implantados em tempo de pandemia a indústria de alimentos garante uma operação segura em relação à saúde dos colaboradores e continua produzindo alimentos seguros para o consumo.

 

 

Patrícia Amarante

Engenheira de Alimentos Sincabima